O Senhor da Chuva, André Vianco

O Senhor da Chuva
André Vianco | Novo Século | 268 páginas | Skoob

Um anjo perseguido, para não ser destruído, possui o corpo de um ser humano agonizante. Assim, o anjo quebra uma regra sagrada que dá direito aos demônios de evocarem uma guerra desigual que poderá desencadear a destruição de todos os anjos de luz da terra. Agora, os dois exércitos estão furiosos, transformando as tranquilas pastagens de belo verde num funesto campo de batalhas onde espadas que parecem chamas, e olhos que parecem brasas, darão o tom nesta misteriosa aventura sobrenatural, repleta de batalhas, mergulhadas no mundo dos anjos, dos vampiros e dos demônios.

Já tinha tentado ler outra coisa do André Vianco (Os Sete), mas a escrita dele era muito arrastada e acabei desistindo. Só que tenho aqui uma coleção de 11 livros e não quero trocar sem ter lido, então organizei-os por ordem cronológica. Dessa forma, comecei por O Senhor da Chuva.

O Senhor da Chuva conta a história de... De quem? Do anjo Thal, que fez uma merda enorme e desencadeou uma guerra entre anjos e demônios? Ou de Gregório, um homem na casa dos 30 que se meteu com as pessoas erradas e sem querer, acabou entrelaçando sua história com a de Thal? Ou ainda de Samuel, um fazendeiro desesperado porque sua colheita está prestes a se perder por falta de chuva? Todos esses personagens têm um papel importante na história de forma que nenhum deles é protagonista. Nunca vi esse esquema ser ruim antes, mas André Vianco conseguiu esse feito porque:

1) Os personagens não têm consistência. Nenhum deles é bem construído. Todos são superficiais, sem personalidades definidas, participando passivamente da história.
2) Vianco parece pertencer a alguma vertente religiosa. Não sei se foi só um artifício usado para a questão dos anjos e demônios, mas pra mim a impressão foi de que ele é religioso sim e só usou essa fé pra construir uma história sobrenatural.
3) A história é sem graça. A escrita dele continua arrastada, a batalha demora séculos pra acontecer e nesse meio tempo, nada de muito interessante é revelado. E mesmo assim, quando a batalha finalmente começa, as cenas de ação são um saco.

Gente, esse livro foi completamente sem sentido pra mim. Não me fez sentir nada. Não senti nem ódio nem carinho pelos personagens. Pra mim, tanto faz se eles morressem ou vivessem. Só queria que esse livro acabasse logo pra começar outro de uma vez.

O grande ápice é a batalha entre os anjos e demônios, mas você sabe desde o começo que isso vai acontecer, então não existe nenhuma surpresa, nenhum AI MEU DEUS, AGORA FODEU. Além disso, as criaturas demoníacas são super cafonas. Cachorros com chifres e dentes pontiagudos... Sabe? Eu que sou a pessoa mais cagona desse universo não fiquei com nem um pingo de medo nessa leitura. E olha que esse autor é conhecido como "o Stephen King brasileiro". Gente, por favor. Não quero discutir aqui a qualidade do King, mas nem consegui terminar Dumakey de tanto medo que senti e nem cheguei na parte mais tensa do livro.

Só acho que fazem muito alarde com esse escritor sendo que a diagramação dos livros dele é triste, a revisão do livro é muito porca (a minha edição é a antiga, pode ser que isso tenha mudado) e a história é super sem graça. Me dá um desânimo de saber que ainda tenho 10 livros desse cara pra ler.

Comentários

Postagens mais visitadas