Eu assisto BBB

Tem coisas que a gente gosta e não assume pra não manchar a reputação. Aí vão os meus três segredos mais sombrios que quase ninguém conhece:


Funk 

Fui criada pra achar que funk é coisa de favelado. Só comecei a aceitar que gosto quando entrei na faculdade e todo mundo dançava, sem preconceito, sem julgamento. Na verdade, percebi que quem gosta de falar aos quatro ventos que funk é uma bosta são os adolescentes que querem pagar de cult. Pessoas legais de verdade não te avaliam pelo tipo de música que você ouve.

 Capricho 

Até hoje leio Capricho. Quando tinha 13 anos, uma amiga lia junto comigo, mas ela mudou, ficou cultizinha e abandonou. Eu não, embora perceba que estou ficando cada vez mais velha pro conteúdo da revista. Há uns dois anos meu pai me deu uma assinatura de presente e quando acabou, não pedi pra renovar porque percebi que a realidade das meninas não é mais a mesma da minha. Mas ele renovou mesmo assim! Chegou ao ponto de eu nem ler mais todas as matérias, só o que passo o olho e me interesso.

Big Brother 

Todo ano falo que não vou assistir. Todo ano assisto. É meio que um ritual aqui de casa acompanhar o reality show e a gente sempre fala que vai parar. Perdemos a primeira metade e depois nos rendemos. Só não comento com as pessoas porque sei que vão me chamar de alienada e derivados, mas quer saber? Foda-se vocês. Tenho certeza que sou muito mais ligada do que essas pessoas que comentam a mediocridade do programa no facebook.

Três bombas, hein? Prevejo xingamentos nos comentários. Mas gente, não tem problema gostar de coisas "lixo". O problema é se você consumir SOMENTE esse tipo de conteúdo. Variedade é importante também. Abre os horizontes :)

Ideia de post retirada daqui.

Comentários

Postagens mais visitadas