A Esperança, Suzanne Collins

Galera, escrevi essa resenha lá pro início de Janeiro. Aí fiz o rascunho e acabei deixando pra lá... Tenho andado sumida porque comecei a faculdade agora e apesar de não ter assistido nenhuma aula ainda, já estou meio louca. Andei pensando até em acabar com o blog, mas não tenho essa coragem. Além disso, ando meio broxa pra ler e resenhar, até porque tenho planos de ler livros enormes e assuntos não literários, então já vi que terei pouca coisa pra mostrar pra vocês. Mas por favor, não me abandonem! Prometo dar um jeito de continuar a toda por aqui, porque o Vire a Página é o meu baby e adoro muito ele!




















SE VOCÊ NÃO LEU "JOGOS VORAZES" E "EM CHAMAS", ESTA RESENHA CONTÉM SPOILERS

Mais uma mentira da Capital foi revelada: o Distrito 13 continua vivo e sedento por vingança. Vivendo no subsolo diante de um rígido esquema rotineiro, os habitantes do 13 buscam vingança. Liderados pela suspeita Coin, os rebeldes estão lutando em seus Distritos e seguindo rumo a Capital. Para dar forças à eles, um complô formado por Haymitch, Plutarch Heavensbee, o Idealizador dos Jogos, e uma equipe do Distrito 13, foi formado um projeto que visava tirar Katniss da arena e fazer dela o Tordo, a cara da rebelião. Mas não é fácil se recuperar de duas edições dos Jogos Vorazes, uma pancada na cabeça e a perda de Peeta. Sim, o outro par dos amantes desafortunados não conseguiu escapar das garras de Snow.

Assim, Katniss vaga pelas dependências do 13 classificada como "mentalmente desorientada" enquanto tenta arranjar uma solução. Não só parar os problemas de Panem. No último livro da trilogia, descobrimos quem vence essa guerra e quem será o escolhido: Gale ou Peeta?

Nas primeiras páginas, o conflito é político. A presidente do 13, Coin, tem uma visível aversão por Katniss, o que não dá gás a garota para aceitar a proposta de ser o Tordo. Ela ainda está desorientada demais, até porque é uma complicação danada se recuperar de todos esses traumas emocionais. Primeiro temos a morte do pai, depois o fardo de alimentar a família, a primeira participação nos Jogos Vorazes, a segunda participação e toda essa bagagem de informação sobre a causa rebelde e o Distrito 13. Sem contar a pancada na cabela infligida por Johanna. Nesse livro, temos total noção da quantidade de merda existente na vida de Katniss e começamos a ver seu lado emocional fraquejar diversas vezes. Em algumas partes, cheguei a pensar que ela ficaria louca.

Dessa forma, o começo é um pouco lento, sem muita ação, e mesmo quando ela aceita ser o Tordo (alguém duvidava disso?), seu papel não é muito perigoso, pois a vida dela é muito preciosa para ser colocada em risco. Mas todos sabemos como Katniss é uma negação na arte da atuação, de forma que ela precisa ser jogada na guerra de verdade para que se tenha boas imagens do Tordo, pois a função dela é gravar pequenos vídeos a fim de dar energia aos rebeldes com palavras encorajadoras. Então a trama começa a andar, porque os planos para trazer Peeta de volta e derrubar a Capital começam a se desenrolar.

Em "A Esperança" temos um contato nunca feito antes com Gale. Ele está presente durante a história quase toda. Logicamente, essa presença começa a causar confusão em Katniss, mas ela não se permitiria avançar com Gale enquanto Peeta está sendo torturado pela Capital. Assim, a relação deles é quase a mesma e ele se mostra um cara muito inteligente, especialmente montando armadilhas, tornando-se útil aos rebeldes e agindo em conjunto com Beetee - um dos participantes do Massacre Quaternário -. Além disso, temos conhecimento de sua personalidade fria. Ele não hesita em matar se for pelo bem da causa. Essa traço deixa Katniss na defensiva, por mais que ela já o conheça (pois Gale nunca deixou de insultar a Capital e mostrar suas vontades em relação ao Governo). Esse é mais um dos motivos para a não-aproximação deles.

Também conhecemos um pouco mais de Finnick. Seu passado é todo revelado e usado contra Snow num dos vídeos do Tordo, um fato crucial para que os habitantes da Capital também se voltassem contra o presidente. Dessa forma, Finnick torna-se um personagem muito importante, pois além de ter armas para usar contra Snow. Ele ainda compartilha o drama de nossa heroína de ter um amado nas mãos da Capital.

Pra mim, o único defeito foi uma cena, lá no finalzinho do livro, muito semelhante com uma de Eclipse, aquela da barraca. Totalmente desnecessário.

Tenho medo de ficar escrevendo aqui e falar um monte de asneiras sobre a série. Porque Suzanne Collins está num patamar muito acima do meu. Ela criou essa outra realidade, com personagens fantásticos, de personalidades fortes (Katniss e Gale), excêntricas (Haymitch) e inalcançáveis (Cinna e Peeta). Essa é uma das minhas séries preferidas porque apesar do universo ser fantástico, os rumos são completamente plausíveis. Quero dizer que não é uma história boba, de "felizes para sempre". As pessoas sofrem e você sente o sofrimento deles. Enfim, só lendo mesmo. Só lendo pra entender como essa história, até então fictícia, está tão próxima da nossa realidade.

Comentários

Postagens mais visitadas