A Bandeja, Qual Pecado Te Seduz?, de Lycia Barros

Hoje vim trazer mais uma resenha de um livro nacional. Espero que gostem! :)

Angelina é uma menina calma de Petrópolis. Sua família é cristã, logo ela foi criada na Igreja e à base de suas doutrinas. Quando passou em uma Universidade pública no Rio de Janeiro, ela se muda para a cidade grande e passa a morar sozinha, numa república. Imaginem só... Uma garota de interior, jogada no meio de chopadas, drogas, sem nenhum adulto por perto. Mas, apesar de tantas tentações, Angelina não se entrega a nenhum desses pecados. Na verdade, cai num dos piores: o pecado da carne.

Alderico é um jovem professor de quase 30 anos. Formado naquela mesma Universidade, voltou agora para ensinar. O cara parece um deus grego: alto, musculoso, olhos azuis... Como não se apaixonar por ele?! Assim, a doce Angelina cai no charme do cara e acaba numa furada. Os dois começam um romance proibido, ela vai contra todos os seus princípios por causa dele. Deixa de lado a família, os amigos e até os estudos para se dedicar completamente ao amado. Mas Angelina não sabe que Rico guarda segredos sobre sua vida e quando esses segredos vêm à tona, seu mundo, resumido somente àquele homem, desmorona.

O que fazer quando todas as suas expectativas são depositadas em uma só pessoa e ela te decepciona?

Como vocês podem ver, esse livro da Lycia é um pouco mais adulto do que o outro resenhado aqui, pois além da idade dos personagens, o ambiente é completamente outro. Como vocês sabem, nas Universidades brasileiras, a galera anda bem soltinha, então rola maconha, sexo, enfim... Mas em A Bandeja, estamos lidando com uma personagem cristã, logo não esperamos nada de muito ousado por parte de Angelina. Bem, a questão é que ela está apaixonada por um cara não-cristão, completamente "desvirtuado". Assim, Angelina começa a ir totalmente contra seus princípios e fazer coisas das quais nem seus pais nem ela se orgulhariam. Mas, no momento, nada mais importa além de Rico.

Bom, se tem uma coisa da qual gostei nesse livro foi, como da outra vez, a escrita. Lycia escreve muito bem, é clara em suas narrações e esse é um quesito em falta atualmente. Além disso, a história se passa em um ambiente conhecido por nós, brasileiros, e principalmente por mim, carioca. Já disse algumas vezes o quanto sinto falta do Brasil na literatura infanto-juvenil. Parece que estamos tão impregnados de cultura americana a ponto de nem nossos próprios autores escreverem sobre nosso país. Admiro isso em Lycia.

Apesar disso tudo, A Bandeja não me conquistou. Em Tortura Cor-de-Rosa, já tinha me sentido incomodada com a religião presente na vida dos personagens, mas o foco da história não era esse e sim o bullying. Aqui não. Nesse livro, a intenção é mostrar como a religião muda a vida das pessoas e talvez seja até uma forma de evangelizar os jovens. Há constantes conflitos de Angelina com sua postura perante Deus e muitas citações bíblicas. Isso me irritou bastante. Continuei lendo o livro porque a relação do casal era extremamente conturbada e coisa de louco mesmo. Aliás, Lycia explora um tipo de relacionamento bastante comum: quando o homem ou a mulher passa a viver somente em função do outro. Todo mundo sabe o quanto isso é prejudicial, tóxico até. E nesse ponto, concordo com ela. Um namoro sadio é aquele que te traz paz e felicidade e não o que te faz sofrer, te deixa maluca, paranoica, fora de si.

Talvez, se não tivesse toda essa questão religiosa envolvida, a trama não teria sustento, pois é tudo sobre como Deus ajudou Angelina a superar seu sofrimento (e acreditem, a garota sofre, coitada! E não falo de forma irônica. Se estivesse no lugar dela, provavelmente reagiria da mesma forma).

Se você é ateu, não vai gostar desse livro. Se não tem saco pra religião, também vai odiar. Mas se estiver passando por problemas amorosos do tipo meu-namorado-é-canalha-e-não-consigo-esquecê-lo, pode ser que te ajude a seguir em frente, porque apesar de Deus ser a solução para os problemas de Angelina, há muitas passagens com as quais eu concordo. Como essa duas:

"Se você acredita que alguém é perfeito, você está em idolatria. Pode ser pelo seu trabalho, por um hobbie, por uma pessoa. Tudo o que consome todo o seu ser de um jeito nocivo e tóxico. Quando você não tem tempo nem disposição para nada além daquilo, abandona seus sonhos, seus afazeres, seus amigos, sua família..."

"Sei que os jovens preferem colocar uma arma na boca ao invés de pedir conselhos sobre sua vida amorosa, principalmente para os pais, mas a verdade é que quem está de fora desse romance “totalitário e avassalador” tem condições de ver as coisas melhores do que os envolvidos."


(Tipo quando você quer dar um conselho pra aquela sua amiga cujo namorado já montou um pinheiro na cabeça dela, mas ela não te escuta e insiste em dizer "é um sentimento que só a gente entende". AFF!)


É isso, gente. Espero que tenham gostado.
Beijos e até breve :)

PARTICIPEM DA PROMOÇÃO DE NATAL! Cliquem no bannerzinho ali do lado, deixem de ser preguiçosos!

Comentários

Postagens mais visitadas