Liberte Meu Coração, de Meg Cabot

E aí, pessoas?
Como prometido, aqui está a resenha de Liberte Meu Coração, o romance sexy de Meg Cabot, uma das minhas escritoras preferidas <3


Finnula Crais é a caçula de seis (!) irmãs e um irmão e a mais excêntrica de todos eles. Contrariando os bons modos referentes às damas inglesas, a jovem costuma andar em calças de couro apertadas, afinal, como caçar enquanto segura a barra da saia? Exato: a menina, além de ser nem um pouquinho prendada, possui a melhor pontaria da aldeia, desbancando muitos homens por aí. Apesar disso, toda essa singularidade não parece afetar sua reputação, pois é graças à ela que os vassalos do conde de Stephensgate conseguem sobreviver ao inverno.

Para se somar aos seus problemas com a justiça (por dar uma de Robin Hood nas propriedades do conde), Finnula se vê numa enrascada ainda mais perigosa: uma de suas irmãs, a desmiolada Mellana, se apaixonou por um trovador (veja só, um trovador!) e ficou grávida dele! O problema é que a muito sensata jovem decidiu gastar todo o seu dote com vestidos, fitas e bugigangas. E agora, José? Para alívio - ou não - de Finnula, Mellana parece ter uma solução bem simples. Com as habilidades muito refinadas da irmã mais nova, vai ser mole sequestrar um homem rico e pedir resgate por ele, até porque essa é uma prática comum por esses ares.

Finnula, então, parte em busca de uma vítima e encontra um cavaleiro - rico, diga-se de passagem - retornando das Cruzadas. Perfeito! Mas ela não imagina que o rapaz, tão convencido e irritante, não é ninguém mais ninguém menos que o herdeiro de Stephensgate, logo seu Senhor!

Durante essa jornada, a atração entre eles ficará praticamente impossível de resistir, enquanto a cada momento, mais e mais mistérios se colocarão no caminho dos dois.


Já disse algumas vezes por aqui como me gusta personagens femininas e fortes. Ainda mais em romances históricos, quando estas mulheres desbancam a cultura patriarcal da época. Finnula é ótimo exemplo disso: é forte, sabe caçar, briga com os homens e é respeitada por isso. Só aí ela já me conquistou. O fato de ainda ser caridosa com os vassalos do conde - morto -, submetidos aos caprichos de um intendente muito do abusado e sua filha piranha, só serviu para somar mais pontos à personagem. Traduzindo em palavras do próprio livro:

"Se ele esperava que seu tom de voz aflito fosse conquistar a simpatia da garota, ficou desapontado. Ela não parecia possuir nenhum sentimento que ele normalmente esperava em uma mulher, a compaixão inclusive.", pág. 59


Isso nos leva a Hugo, inicialmente apresentado como Hugh, o cavaleiro sequestrado. Ele é um homem mais encaixado em sua época. Apesar de ficar encantado com Finnula e sua excentricidade (leia-se: sua bunda em forma de coração, muito bem revelada pelas calças apertadas), acredita que o lugar de uma mulher é na cozinha, o que só o torna mais irritante. Por isso, a princípio, Finnula se sente ofendida, pois o homem, apesar de visivelmente submetido à ela, não a vê como uma ameaça. Logo, nas primeiras páginas, não há muitos sinais de envolvimento entre o casal.

Enquanto isso, a curiosidade de Hugo sobre Finnula sustenta a situação, pois ele podia facilmente se livrar dela e ainda prendê-la por tanta insolência quando chegassem ao condado. Apesar disso, seus desejos - físicos - em relação à jovem mantém os dois juntos até o fim da saga.

Como podem ver, a história gira muito em torno disso aí... Por isso, durante a leitura, me surpreendi com o tamanho do livro, pois parecia ser grande demais pra uma trama tão sem graça. No começo, a narração fica entre os pensamentos de um em relação ao outro e as cenas de sexo. Aí fica cansativo, sabe? E sem sal. Não me prendeu.

Além disso, tudo acontece rápido demais, bem ao estilo Riordan de ser. Todas as 404 páginas se desenrolam ao longo de, no máximo, duas semanas. E quando vocês lerem vão entender porque estou reclamando disso, pois fatos importantes demais, que na vida real demorariam meses, se não anos para acontecer, ficam compactados de um jeito muito artificial em Liberte Meu Coração.

E, acima de tudo, o final é previsível. Desde o começo já sabia qual ia ser o desfecho de cada personagem. Exceto o de Mellana, mas ela não faz muito diferença depois de mandar Finnula caçar um macho.

Enfim, é por causa disso tudo que Meg Cabot, pela primeira vez, me decepcionou. Esperava muito mais do livro escrito pela Princesa de Genovia =) Vai ver foi esse o problema, né? As expectativas.

Um beijo!

Comentários

Postagens mais visitadas